quinta-feira, 21 de julho de 2016

Você tem uma boa memória?

Em busca de uma memória saudável...


Ter uma boa memória não é um privilégio, e embora aqui haja uma importante influência da herança genética, ela não é determinante. Assim, fatores como idade, atividade profissional, prática regular de exercícios físicos, qualidade do sono e uso de medicamentos podem colaborar para que o indivíduo tenha uma memória melhor ou pior.

O cérebro humano arquiva todas as informações que recebe, entretanto, em algum momento esses registros começam a ser esquecidos. Do mesmo modo que a pele envelhece e começa a formar rugas, a memória também sofre uma degeneração natural, processo que afeta tanto homens quanto mulheres.

Fórmula da boa memória


A boa memória resulta da associação entre uma alimentação equilibrada, sono de qualidade, e prática regular de exercícios físicos e mentais.

Sono


No cérebro, o sono exerce a função de sedimentar o conhecimento aprendido no decorrer do dia. Logo, seu papel é fazer com que essas informações sejam fixadas no cérebro.


Alimentos benéficos para a memória


A memória pode ser estimulada também por meio de uma alimentação balanceada, englobando principalmente peixes, ovos e frutas vermelhas.

Fatores prejudiciais à memória


O tabagismo, a ingestão em excesso de álcool, o uso desregrado de certos medicamentos, o estresse, a falta de sono e noites mal dormidas são alguns dos fatores que podem prejudicar a memória.

Como funciona nossa memória


Memória e inteligência


A memória não está necessariamente relacionada à inteligência. Ocorre que, normalmente pessoas inteligentes se interessam mais por atividades que estimulem o cérebro. Assim, geralmente esses indivíduos leem, são mais curiosos, buscam conhecimento em diferentes fontes, e naturalmente trabalham melhor sua memória.

Influência das emoções sobre a memória


Como é possível nos lembrarmos de coisas que aconteceram quando tínhamos 4 ou 5 anos de idade? Isso acontece porque existem lembranças que estão repletas de emoção. Essa correlação é válida tanto para emoções boas quanto ruins. Ao vivenciar, por exemplo, uma tentativa de assalto ou qualquer outra situação extremamente estressante ou violenta, o indivíduo tende a se lembrar daquele momento porque o aspecto emocional garante a atenção necessária ao fato.

Capacidade de desenvolvimento cerebral


Segundo a neurociência, para o cérebro não existe algo que não possa ser recuperado, isso vale mesmo para indivíduos que tenham sofrido perdas neuronais em decorrência de acidentes, nesse caso, outras regiões do cérebro poderão suprir as funções perdidas. Isso também se aplica à memória.

Associação entre memória e atenção


As pessoas costumam esquecer-se com certa frequência onde deixaram as chaves do carro, se trancaram a porta ao sair de casa, entre outras ações que normalmente são realizadas de forma automática. A "porta" da memória é a atenção. Logo, tudo o que for feito com a devida atenção tende a ser melhor memorizado.

As pessoas não precisam se desesperar caso estejam se esquecendo de fatos, datas e compromissos. Primeiramente, é preciso se organizar. Depois, será necessário mudar seus velhos hábitos e treinar a memória. Existem técnicas, truques, jogos e treinos que ajudam a melhorar o desempenho da memória. Por isso, todos devem começar a treinar a memória o quanto antes.

Atenção dividida



A ciência já comprovou que o cérebro é incapaz de dividir a atenção entre a realização de tarefas simultâneas, assim, na verdade quando fazemos várias coisas ao mesmo tempo, ora oscilamos toda nossa atenção para uma atividade, ora para outra, e dessa forma dedicamos menos atenção do que se estivéssemos nos dedicando inteiramente as atividades de maneira isolada. Por fim, como a memória tem relação intrínseca com a atenção, a primeira acaba sendo prejudicada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário